Caro diário,

Tenho uma novidade para contar: comprei um carro novo!

Ele é uma grassinha, como diria a Ébe Kamargo! Todo azulzinho, tem uns bancos massios, um hespelho retrovizor enorme para eu pentiar os cabelo, um motor de não sei quantos cavalo, mas sei que é bastante! Alem do mais, o carro esta totaumente equipado: tem rodas de leite de magnézia, volante de loteria esportiva, faróis de milho, câmbio negro, vidros fumê, alarme de insêndio, xave de braço, espelho no této, e tantas outras coizas, enfim, é o carro que eu sonhava desde 88: um Chevete 88. Alen do mais, eu tive uma sorte danada!

Quando fui lissençiar o carro, um mosso muito do bacaninha me atendel, todo solíçito:

- Qual a placa que a senhora prefére?
- Daquelas branquinha - eu respondi - Detesto aquelas placa vermelha!

Como eu estava dura, fui logo perguntãdo:
- Qual a mais barata?
- São toda o mezmo presso - ele

- Ah! Entendi! - eu dice. E como sou muito espérta, cauculei na minha cabessa: as placa 7 e 8 não rodam as quinta e as placa 9 e 10 não rodam as cesta.
- Então, eu quero finau 11! - dessidi. Ele fez uma carinha engrassada e depois falol:
- A senhora é realmente muito es-perta, heim, dôna! Vou ver o que posso fazer! Mãs, não vai cer fásiu!

Jente! E não é ke ele conseguil uma placa finau 11! Vou ficar livre do rodísio! Ta serto que ele queria uma gorgeta, mas eu me fis de durona e não dei! Joguei um xarminho pra cima dele e alen dele me despençar da gorgeta ele me pagou um jantar num moteu. E ainda paçou a noite inteira dizendo que eu é que çou boa!

Não é o mássimo?