O galo viado



O fazendeiro resolve trocar o seu galo por outro que desse conta das inúmeras galinhas. Ao chegar o novo galo e, percebendo que perderia suas funções, o velho galo foi conversar com seu substituto:

- Olha, sei que já estou velho e é por isso que meu dono o trouxe aqui, mas será que você poderia deixar pelo menos duas galinhas para mim?

- Que é isso, velhote? Vou ficar com todas.

- Mas só duas... — ainda insistiu o galo.

- Não. Já disse! São todas minhas!

- Então vamos fazer o seguinte: Apostamos uma corrida em volta do galinheiro. Se eu ganhar, fico com pelo menos duas galinhas. Se eu perder, são todas suas.

O galo jovem mede o galo velho de cima abaixo e pensa que certamente ele não será capaz de vencê-lo:

- Tudo bem, velhote, eu aceito!

- Já que realmente minhas chances são poucas, deixe-me ficar a vinte passos a frente — pediu o galo velho.

O mais jovem pensou por uns instantes e aceitou as condições do galo velho.

Iniciada a corrida, o galo jovem dispara para alcançar o outro galo. O galo velho faz um esforço danado para manter a vantagem, mas rapidamente está sendo alcançado pelo mais jovem.

No momento em que o mais velho ia ser alcançado pelo mais novo, o fazendeiro pega sua espingarda e atira sem piedade no galo jovem. Guardando a arma, comenta com a mulher:

- Num tô intendendo, uai! É o quinto galo viado que a gente compra esta semana.