Galo garanhão



Aquele famoso fazendeiro era dono do maior galinheiro da região.

Certo dia, conversando com um amigo, ele comenta:

- É Zé, tô cum problemão que ocê nem imagina...

- É memo, uai? Que pobrema?

- Num consigo encontrar um galo pra cruzar todas minhas galinhas!

- Ora, mais isso é fácir de arresorvê! Tenho um galo aqui que parece um garanhão. Pode levá procê!

Alguns dias depois:

- Ô Zé, aquele galo num guentô o baque! Depois de cobrir metade das galinhas o bichinho caiu mortinho no chão.

- Êta, diacho! Os galos de hoje em dia só são bão de garganta! Mais num perca as isperança, meu amigo, você leva o Dão Ruão, tenho certeza de que ele vai arresorvê o seu pobrema.

E vai se embora o fazendeiro, com o Dão Ruão debaixo do braço.

Naquela noite, era tanto o barulho do cacarejar da galinhada que ele nem conseguiu dormir direito.

No dia seguinte, logo ao acordar, todas as galinhas estavam com um sorriso estampado nos bicos, mas, para sua decepção, o Dão Ruão estava estirado no chão, imóvel, rodeado de urubus.

- Puta que pariu! - lamentou. E foi buscar uma pá para enterrá-lo.

Contudo, quando se aproximou do bichinho, este levantou um pouquinho a cabeça, abriu um dos olhos e sussurrou:

- Psiu... Não faz barulho que eu quero ver se pego uma dessas moreninhas!